domingo , 24 setembro 2017

Home » Blog » Revert – mortes e ressurreições do skate vertical

Revert – mortes e ressurreições do skate vertical

Publicado Em: 16/10/2008 17:04


Em 1992, a Thrasher questionou na capa da edição de julho: “Quem matou o vertical?” A revista tem um artigo de 8 páginas falando sobre a decadência do vert naquela época. Poucas rampas para andar e lojistas que não andam de skate e só queriam saber de vender material de street (qualquer semelhança com a realidade brasileira atual é mera coincidência) são algumas das causas citadas, por um tal de Dick Dirtball (acho que esse autor não existe e ninguém quis assinar o B.O.). O texto termina com o parágrafo “The next generation – O vert vai ficar na cena underground por algum tempo, mas quando voltar, haverá melhores skatistas, melhores picos e, o mais importante, não terá guerra entre nós. A resposta à pergunta inicial é ninguém matou o vert. É tudo em sua mente e em seu coração. Eu amo histórias com finais felizes”.

Realmente, pouco tempo depois o vert teve outro boom. Voltou renovado com streeteiros fazendo vert e verticaleiros streeterizados. Dessa leva, Danny Way, Colin McKay, Alf Rawls, Bucky Lasek e o Steve Berra são os que me lembro agora que inovaram naqueles tempos com muitos flips e manobras de bordas. Já em terras brasileiras, Bob Burnquist, Gian Naccarato, Geninho Amaral, Digo Menezes e Cris Mateus são alguns dos que mixaram bem as bases. E foi essa quase extinção do vertical que fez com que houvesse um final feliz para a história. O skate vertical cresceu muito nos últimos anos em nível técnico justamente por causa dos skatistas que buscaram a adaptação das manobras de rua pras ramponas.

A história seguia linda e maravilhosa, até que surge um artigo no site da ESPN levantando a polêmica “Vert’s dead. Again” (Vertical morreu. Novamente) e informando que o X Games desse ano, em Los Angeles não teria competição em halfpipe, só o street, a Mega Ramp e uma nova modalidade, o Superpark, que abrigaria os vert riders que não participariam da Mega. A repercussão entre a comunidade dos vertriders levou à ameaças de boicote. Caso não houvesse um half pipe nos X Games, alguns skatistas não participariam da Mega Rampa. A ESPN voltou atrás e rolou o acordo.

ilustração de Chris McNally no site da ESPN

Ainda nesse clima quente, a Transworld Skateboarding de agosto, botou mais lenha na fogueira, com Danny Way na capa pulando o gap do Bob de 360 flip (SEM USAR A MÃO) e a chamada “O que é vert? Danny e Bob desafiam e definem a arte perdida.” Essa edição é muito boa. Além de fotos de manobras absurdas na Mega Rampa, tem pontos de vistas pertinentes do Tony Hawk, Lance Mountain, Omar Hassan, do Way e do Burnquist.

Essa semana o Planeta EXPN está exibindo a série REVERT, com esse tema polêmico do fim do vertical. O Aguinaldo Melo entrevistou o Bob, o Mineirinho, Bucky Lasek, Pierre Luc Gagnon e o Buster Halterman em Los Angeles. Amanhã é o último episódio, mas dá pra assistir no site também: http://espnbrasil1.terra.com.br/planetaexpn/
Tá imperdível. Muitos depoimentos que agregam!

Photobucket

Eu não sei pegar os links de cada programa, então vocês vão ter que entrar no site e procurar no arquivo. Começou dia 13 de outubro e vai até amanhã.

Eu acho que o vertical não morrerá nunca. Tenho esperanças que sempre surgirão skatistas como o Dan César, que inovam no half-pipe e brincam de street.

backside smithgrind cravado do Dan
Revert – mortes e ressurreições do skate vertical Reviewed by on . Em 1992, a Thrasher questionou na capa da edição de julho: “Quem matou o vertical?” A revista tem um artigo de 8 páginas falando sobre a decadência do vert naqu Em 1992, a Thrasher questionou na capa da edição de julho: “Quem matou o vertical?” A revista tem um artigo de 8 páginas falando sobre a decadência do vert naqu Rating:
asfalto-01
Voltar ao Topo